Boletim 786 - Não peço que os tires do mundo. (João 17.15) | Primeira Igreja Presbiteriana de Porto Velho

Boletim 786 - Não peço que os tires do mundo. (João 17.15)

Publicado em: 28/05/2017 16:50:36

Para todos os crentes, a ida ao lar, a fim de estarem com Jesus, no tempo determinado por Deus, será um acontecimento bendito e feliz. Em apenas alguns anos, os soldados de Cristo que agora estão lutando o bom combate da fé (ver 1 Timóteo 6.12) terminarão o seu conflito e entrarão no gozo de seu Senhor. Embora Cristo tenha suplicado que seu povo, no tempo certo, esteja onde Ele está, Ele não pediu que seu povo seja retirado imediatamente deste mundo para o céu. O Senhor Jesus deseja que os crentes permaneçam aqui. Entretanto, quão frequentemente o cansado peregrino oferece uma oração como a seguinte: “Quem me dera asas como de pomba! Voaria e acharia pouso” (Salmos 55.6), mas Cristo não ora assim. Ele nos deixa nas mãos de seu Pai, até que, como espigas completamente maduras, sejamos cada um de nós reunidos no celeiro de nosso Senhor.

Jesus não pede nossa remoção instantânea por meio da morte, pois permanecer na carne é necessário para os outros, se não é proveitoso para nós mesmos. O Senhor Jesus pediu que fôssemos guardados do mal. Quando os crentes enfrentam qualquer aflição, frequentemente eles tem o desejo de morrer. Pergunte-lhes por que, e eles responderão: “Queremos estar com Cristo”. Temos receio de que isto ocorra não exatamente porque eles anseiam estar com o Senhor, e sim porque desejam livrar-se de seus problemas. Se assim não fosse, eles sentiriam esse desejo de morrer em outras ocasiões, quando não estivessem sob a pressão das provações. Eles querem ir para casa, não tanto pela companhia do Salvador quanto para terem descanso.

Ora, ter o desejo de partir é correto, se pudermos senti-lo da maneira como o apóstolo Paulo o sentiu. Estar com Cristo é muito melhor. Mas o desejo de livrar-se das provações é egoísta. O seu desejo deve ser o de glorificar a Deus, por meio de sua vida neste mundo, até quando Ele quiser. Embora isto se realize em meio a conflitos, intenso labor e sofrimento, permita que Ele diga: “Chega, já é o bastante!”

 

Tem alguma pergunta?










Obrigado por visitar o nosso site, ele foi desenvolvido pensando em servir você.